domingo, 12 de junho de 2011

Prática leitora multimidia

Proposta de intervenção

Organizadores:

Pedro Valdir da Coceição

Janice Tuzzim

Alice Marile de Lima

 

Publico alvo:

Alunos leitores do 5º ano do Ensino Fundamental

Objetivo da prática leitora:

Num mundo onde o ser humano valoriza a aquisição de bens matérias e não aos cuidados com a nossa morada maior, (o planeta terra), é imperioso refletirmos sobre quais os cuidados estamos dando a ele a partir dos mais variados textos.

Materiais e recursos utilizados:

Leitura de texto literário

Crônica meio ambiente

Poema amigo do planeta

Letra da musica planeta azul

Leitura de vídeo

→Sonho do planeta terra

Leitura de imagens

Leitura de gráficos

Etapas propostas:

Apresentar a crônica do meio ambiente de Priscila de Loureiro Coelho e pedir que cada um leia em silencio e oralmente.

Meio Ambiente

No Dia Mundial do Meio Ambiente, fico cismando se não deveríamos pensar em Ambiente Inteiro. Sim, nada de meio. O que desejamos é um Ambiente integral, pleno em sua natureza e preservado em sua totalidade.
            Pensar no Meio Ambiente como nosso lar, local onde temos nossa morada, ainda que passageira, é buscar uma identificação com o espaço que nos cerca e acolhe nosso cotidiano. Não posso deixar de me perguntar se conseguimos perceber, com profundidade, a importância de tratarmos bem este cenário onde se desenrola nossa história, a história da humanidade. Reservas naturais, água, matas, o ar que respiramos! Nossa alimentação! Tudo nos vem do Meio Ambiente.
            Estaremos realmente cientes da seriedade que exige um assunto de tal ordem? Tantas outras questões de somenos ganham nossa atenção, e justamente um assunto tão vital, parece que deixamos de lado como se fosse possível ignorar.
            Ao avaliar o modo como andamos tratando nosso planeta, como temos lidado com os elementos que garantem nossa sobrevivência, fico receosa dos resultados que teremos daqui a algum tempo. A maneira displicente como se desperdiça o que nos é dado gratuitamente; a não valorização das reservas que nele se encontram, apontam para um futuro problemático e desastroso.
            É aflitiva a sensação que se tem ao acompanhar desmatamentos, poluição, desrespeito com a fauna nativa, irresponsabilidade ao se permitir queimadas aleatórias, enfim, todo tipo de desrespeito ao nosso Lar.
            Há que se levar em conta à preciosidade que nos foi dada por nossa mãe Terra. E há que se responsabilizar pela dádiva recebida, se não por nós mesmos, pelas gerações futuras, que correm o risco de receberem um planeta devastado.
            Penso ser o momento propício para uma conscientização, decisão firme e determinada de preservar o que apenas existe para nos servir e embelezar nossa existência. Que cada dê conta do pequeno espaço que ocupa e reconheça os benefícios que recebe; valorize e colabore para a sua conservação. Já é um passo importante, pois estará zelando por uma fatia do Planeta e colaborando para sua sobrevivência.
            Dia Mundial do Ambiente. Inteiro, não meio, pois é o ambiente que abriga toda a humanidade.
            Proponho comemorar seu aniversário com um “bolo” de idéias amorosas e pragmáticas. Organizando uma festa onde o tema é: Natureza,  os enfeites a beleza que lhe é própria. Os convidados: a humanidade e o presente: um futuro saudável para nosso querido Planeta Terra (ambiente integral).
            E claro, ao cantarmos parabéns, que haja muito aplauso!
Priscila de Loureiro Coelho
Consultora de Desenvolvimento de Pessoas
Priscila de Loureiro Coelho
Publicado no Recanto das Letras em 01/06/2005
Código do texto: T21267

Após a leitura pedir que leiam o poema a baixo em voz alta





http://4.bp.blogspot.com/-n1lmefFwK58/TdtVXF6eH1I/AAAAAAAABj8/3yj5nz4khRE/s400/Planeta%2BAmigo.JPG

Após leitura silenciosa pedir que leiam em vóz alta.
Com auxilio de um áudio propor que escute a musica de Chitãozinho e Chororó e após realize a leitura da letra da musica.
Musica: Planeta azul (Chitãozinho e Xororó)
Áudio e letra
A vida e a natureza sempre à mercê da poluição
se invertem as estações do ano
faz calor no inverno e frio no verão
os peixes morrendo nos rios
estão se extinguindo espécies animais
e tudo que se planta, colhe
o tempo retribui o mal que a gente faz
Onde a chuva caía quase todo dia
já não chove nada
o sol abrasador rachando o leito dos rios secos
sem um pingo d'água

quanto ao futuro inseguro
será assim de norte a sul
a terra nua semelhante à lua
O que será desse planeta azul?
O que será desse planeta azul?
o rio que desse as encostas já quase sem vida
parece que chora um triste lamento das águas
vão perdendo a estrada, a fauna e a flora
é tempo de pensar no verde
regar a semente que ainda não nasceu
deixar em paz a Amazônia, perpetuar a vida
estar de bem com Deus.

Agora é a vez de assistirmos o vídeo o sonho do planeta terra com uso de computador ou TV.
Vídeo: sonho do planeta terra
Disponível no endereço:



http://t1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcSNuK4tNpM59zbYUdrzMVGs195M6w--dIW4514fY7e9fHnPTDosVA

http://www.google.com.br/imgres?imgurl=http://mflsondagens.com.br/index_arquivos/grafico4.gif&imgrefurl=http://mflsondagens.com.br/licenciament

Para finalizar, propor um debate sobre as questões ambientais vistas nas diferentes mídias e relacionar com o local onde vivemos

Referencias: links e sites consultados

http://www.recantodasletras.com.br/cronicas/21267
http://patriciafrancomarins.blogspot.com/2011/05/poemas-para-colorir-meio-ambiente.html
http://www.kboing.com.br/chitaozinho-e-xororo/1-1031158/
http://www.youtube.com/watch?v=5udLNUL_P00&feature=related
http://www.google.com.br/search?q=meio+ambiente&hl=pt-BR&rlz=1C1AVSX_enBR397BR397&prmd=ivnsulb&tbm=isch&tbo=u&source=univ&sa=X&ei=kwD0TebuE9L
http://www.google.com.br/imgres?imgurl=http://mflsondagens.com.br/index_arquivos/grafico4.gif&imgrefurl=http://mflsondagens.com.br/licenciament

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Poesia no Bloger

Esta imagem é dos retirantes feita por Portinari sobre os retirantes. Imagem publicada no sit http://www.google.com.br/search?q=imagens+de+portinari&hl=pt-BR&biw=1024&bih=677&prmd=ivns&tbm=isch&tbo=u&source=univ&sa=X&e




Quem é esse povo?

Quem é esse povo ?
Que cara eles têm?
Quanto sofrimento demonstra,
Mas alguem sabe quem?


Esse povo sai da torrão seco
onde não existe lugar
É um povo que luta e trabalha
Sem ter onde morar.

Seria coisa do destino?
Um povo viver tão sofrido,
Ou apenas uma sina?
Em busca de um prato de comida.

Quem é esse povo?
Que esperança eles têm?
Pedaços de panos esfarrapados,
Mas é um povo que tem esperança,
De encontrar sua parada.